Saúde da Família Fluvial e Modelo Abaré

 Dia de atendimento na comunidade de Tauari, no Pará

Navio-hospital leva saúde e prevenção para brasileiros que vivem em locais isolados

 

Modelo de saúde básica itinerante vira política pública na Amazônia e Pantanal

mapaEm 2006, com o todo trabalho e a bagagem anterior em saúde comunitária, saneamento e prevenção implantadas em larga escala na nossa área de atuação, lançamos nas águas do rio Tapajós o navio-hospital Abaré, dando o passo que faltava para complementar e avançar na construção de um modelo de atenção básica resoluto e adaptado para os interiores da Amazônia. Em parceria com as prefeituras locais e a ONG holandesa Terre Dês Hommes, cerca de 15 mil ribeirinhos de 72 comunidades das áreas rurais de três municípios (Santarém, Belterra e Aveiro) passaram a ter acesso regular aos serviços básicos de saúde, com visitas a cada 40 dias, percorrendo longas distâncias e chegando em locais praticamente excluídos da rede pública.
Funcionando como um Programa Saúde da Família Itinerante, foi possível levar até a porta das casas ribeirinhas serviços de:
✓ saúde da família;
✓ planejamento familiar;
✓ saúde da criança e imunizações;
✓ consultas pré-natal;
✓ saúde da mulher, com exame preventivo do câncer de colo uterino;
✓ saúde oral;
✓ atendimentos médicos e exames de rotina;
✓ atendimentos de emergência;
✓ pequenas cirurgias.

Comunitária fala do AbaréAlém de médicos, enfermeiros, dentistas e outros profissionais de saúde, se juntam a equipe uma trupe de palhaços e arteeducadoresdo Circo Mocorongo para realização de ações complementares e treinamento de multiplicadores locais.
Enquanto parte da comunidade era atendida no navio-hospital, os que ficavam em terra participavam das atividades educativas com nossa equipe lúdica da saúde. As apresentações circenses sempre contavam com ampla participação do público desenvolvendo o protagonismo local e engajando crianças e adultos. Os temas abordados nas apresentações e brincadeiras amarravam o trabalho, com atividades sobre:
✓ práticas de higiene;
✓ saúde das crianças e escolar;
✓ medidas práticas de prevenção;
✓ doenças sexualmente transmissíveis e HIV;
✓ alimentação e nutrição;
✓ aleitamento;
✓ direitos da crianças e do adolescente;
✓ direitos da mulher, entre outras.

SAABmed-base-SA-AB-comCom um calendário permanente de visitas, alcançamos médias anuais de mais  20 mil procedimentos de saúde; mais de 200 atividades de educação e prevenção; além de diversas parcerias com universidades para projetos de pesquisa, recepção de estudantes, residentes e voluntários.
O modelo se provava eficaz. Em pouco tempo, o Abaré conseguiu:
melhoria dos indicadores de saúde;
resolutividade de 93% – apenas 7 a cada 100 pacientes sendo encaminhados aos centros urbanos;
desafogar hospitais públicos, resolvendo casos simples antes de se agravarem;
boa relação custo/benefício.
Em função do alto impacto e baixo custo, o navio-hospital Abaré demonstrou-se um modelo viável e replicável para dar assistência de saúde em áreas remotas da Amazônia.

Resultados Abaré

2010: Modelo vira política pública de Saúde Fluvial

Depoimento EugênioEm 2009, a experiência se tornou objeto de estudo do Ministério da Saúde. No ano seguinte, o governo federal lançou a estratégia de Saúde da Família Fluvial, tornando esse modelo de navio-hospital uma política pública com abrangência para toda Amazônia Legal e Pantanal.
O Abaré foi credenciado como a primeira Unidade Básica de Saúde Fluvial (UBSF) do Brasil, sendo integrado ao SUS. Diante desta importante conquista, o PSA repassou a gestão das operações para os Municípios, liderados por Santarém, que passou a contar com repasses federais para apoiar no seu custeio.
Esta política abriu as portas para que outras regiões ribeirinhas necessitadas e isoladas também pudessem receber um modelo de saúde da família regular. Desde então, apoiamos a disseminação do modelo, a começar pela aquisição de um segundo barco – o Abaré II – doado via comodato à Prefeitura de Santarém para atender mais de 2 mil famílias da bacia do rio Arapiuns.
Além do apoio de custeio, por meio de um edital do Ministério da Saúde, municípios das regiões Norte e Centro-Oeste estão sendo financiados para construção de novas embarcações, com 64 barcos que já começam a entrar em operação.

Plano UBSF

2015-16: Perspectivas do Abaré I se tornar hospital-escola da região amazônica

Devido às conquistas na saúde pública fluvial, o Abaré I está sendo repassado ao Instituto de Saúde Coletiva (ISCO) da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), se tornando além de um barco-hospital, um barco-escola (ensino, pesquisa e extensão). Agora, esse “amigo cuidador” amplia sua missão para ser laboratório de boas práticas a serem disseminadas nas demais unidades fluviais amazônicas.

 

IMG_4048

Assista aos vídeos sobre o Abaré:

Prêmios em destaque:

Recebemos mais de 25 prêmios por diferentes projetos. Veja alguns relativos à saúde.

dom helder

MILTON_SANTOS

  • 2013 – Visionaris – 1º lugar Prêmio UBS ao Empreendedor Social/ ASHOKA
  • 2009 – Medalha Dom Helder Camara, Conselho Nacional de Secretários de Saúde/Mídia Livre-MINC;
  • 2006 – Revista Seleções – Prêmio melhor projeto social na área da saúde, Revista Seleções;
  • 2002  – Milton Santos de Saúde & Ambiente – FIOCRUZ-OPAS/

Alguns destaques na imprensa:

Capa Folha

  1. Folha de São Paulo: “Posto de saúde flutuante alegra o Tapajós
  2. Globonews: “Unidade fluvial de saúde acaba com surtos de diarreia na Amazônia
  3. Revista Planeta Sustentável: “A hospitalidade que garante a vida
  4. Diário de Notícias (Portugal): “Uma ONG 25 anos a cuidar da saúde dos ribeirinhos
  5. Revista Planeta: “Um barco movido a saúde e alegria
  6. Terra: “Ministério garante 64 barcos para resolver saúde na Amazônia
  7. International Service UK: “Prince Charles visits International Service’s partner in Brazil’s Amazon jungle
  8. Folha de São Paulo: “Barco-hospital criado por Eugenio Scannavino Netto vira política pública do Ministério da Saúde
  9. G1: “Ufopa é a nova gestora do navio-hospital Abaré I
  10. Global Voices: “Riverside communities in the Amazon