Saúde na Floresta: Saneamento Básico e Cidadania

As características peculiares da região amazônica, como as longas distâncias, dificuldades de transporte e comunicação e as precárias condições de saneamento, geram o grande desafio da inclusão das comunidades ribeirinhas aos serviços básicos de saúde. A saúde adquire caráter emergencial, pois doenças simples, de origem primária, acabam se tornando graves pela falta de intervenção efetiva e adequada.

Nosso Programa de Saúde Comunitária busca construir um modelo demonstrativo de atenção primária adaptado a este contexto das populações ribeirinhas da Amazônia, funcionando em parceria com as Políticas Públicas. 

Promove soluções apropriadas de saneamento básico que melhoraram a qualidade da água de consumo e as condições de higiene dos sanitários, diminuindo as diarreias, verminoses e demais doenças de veiculação hídrica. 

Em parceria com as Prefeituras de Santarém, Belterra e Aveiro, mais de 15 mil ribeirinhos do rio Tapajós contam com acesso regular à Atenção Básica através do barco Abaré, primeira unidade do Programa Saúde da Família Fluvial do País. 

A proposta envolve também o controle social das políticas públicas de saúde nas comunidades, a partir de conselhos locais e representações territoriais; a capacitação de agentes de saúde e parteiras e a realização de campanhas educativas. Equipes de arte-educadores apresentam o Circo Mocorongo, onde através de teatros e brincadeiras, são repassados conhecimentos úteis para evitar as doenças e garantir saúde e alegria.